Orquidário Ruth Cardoso

6/Dezembro/2010

Orquidário Ruth Cardoso, projetado por Decio Tozzi, é inaugurado em São Paulo

Arquiteto inspirou-se em construções de grupos étnicos brasileiros e africanos estudados pela antropóloga

Mariana Kindle

Foi inaugurado na última sexta-feira o projeto do Orquidário Professora Ruth Cardoso, no Parque Villa Lobos, em São Paulo. Assinada pelo arquiteto Decio Tozzi, a obra teve um custo aproximado de R$ 2,5 milhões e foi executada totalmente em pouco mais de cinco meses. O volume esférico, que lembra uma oca, foi uma homenagem do autor a alguns grupos étnicos estudados por Ruth, como tribos africanas e indígenas brasileiras, além dos grupos pré-colombianos.

Marcelo Scandaroli

 

Trata-se de um domo formado por duas seções de esfera de raios diferentes, unidas por um arco mestre de concreto moldado in loco, a principal peça estrutural da composição. As duas metades da cúpula são verticalmente desalinhadas – uma se liga ao topo do arco, e a outra à sua base. O arco de concreto possui aberturas regulares que atuam na ventilação da obra e justificam o desnivelamento das seções esféricas. A corrente de ar entra por um vão na base da estrutura de polietileno que cobre o orquidário e sai pelas aberturas no arco central, por aspiração. Esta técnica é empregada em ocas de índios brasileiros.

Dos grupos pré-colombianos, Tozzi adaptou a técnica de enterramento da edificação, para proteger o seu interior das rajadas de vento. A parede da construção tem 3 m de altura – 1,5 m abaixo e 1,5 m acima do nível do solo do terreno. Das culturas africanas, a arquitetura tomou emprestado o conceito da abertura zenital, que transforma a intensa iluminação externa em luz difusa no interior da edificação.

A cúpula tem 12 m de altura no seu ponto mais alto, o que, segundo Tozzi, auxilia na defesa contra o efeito estufa, criando uma espessa camada de ar acima das plantas e abaixo da cobertura. O arquiteto afirmou que a altura comum em orquidários chega a, no máximo, 7 m. No orquidário há dois espelhos d’água – um interno, no centro, que auxilia no controle da umidade ambiente, e outro externo, que circunda a estrutura.

Para proporcionar leveza à estrutura do domo, o vidro e a pele de polietileno são estruturados com treliças metálicas de seção triangular pintadas de branco. O acesso é feito por rampas e, no interior, além do orquidário, o programa contempla laboratórios para o trato das plantas, salas de aula para ensinar o cultivo da flor, além dos sanitários públicos e de serviço. Por trás das prateleiras, espelhos possibilitam a visão completa das orquídeas.

Confira a seguir mais fotos do projeto:

Marcelo Scandaroli
Marcelo Scandaroli
Marcelo Scandaroli
Marcelo Scandaroli
Marcelo Scandaroli

 

  Arquitetura < Home
 
Anúncios
Esse post foi publicado em Arquitetura e Urbanismo. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s