PINIweb.com.br | IAB-DF elege vencedores de concurso para revitalização de passagem subterrânea em Brasília | Construção Civil, Engenharia Civil, Arquitetura

23/Abril/2012

IAB-DF elege vencedores de concurso para revitalização de passagem subterrânea em Brasília

Equipe ganhadora desenvolverá projeto de reforma de uma das passagens mais importantes do Plano Piloto, a que une o Setor Bancário Sul ao Setor Hospitalar

Aline Rocha

O Governo do Distrito Federal (GDF) e o Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB-DF) já elegeram os vencedores do Concurso Nacional de Arquitetura – Passagens sob o Eixão. O objetivo da competição era contratar um projeto para a reforma de uma das passagens subterrâneas mais importantes do Plano Piloto, a que une o Setor Bancário Sul ao Setor Hospitalar.

O grupo de arquitetos composto por Gustavo Partezani, Daniel Maeda, Diogo Esteves, Guilherme de Bivas, Ingrid Ori e Rafael Costa ficou em primeiro lugar e recebe prêmio de R$ 15 mil. Além disso, a equipe deve assinar um contrato de R$ 70 mil para o desenvolvimento do projeto executivo.

Ricardo Gusmão e Marcos André Seixas Linhares lideram os grupos que conquistaram a segunda e terceira colocações e recebem R$ 8 mil e R$ 4 mil respectivamente.

A comissão julgadora foi composta por cinco arquitetos e dois suplentes: Jayme Zettel, Frank Svensson, Guilherme Wisnik, Aleixo Furtado, Emília Stenzel, Nonato Veloso e Vicente Neto. Os critérios de avaliação levaram em conta a sustentabilidade socioambiental, a contextualização urbana e a acessibilidade, entre outros.

Confira os projetos vencedores:

1° LUGAR
Arquitetos:
Gustavo Partezani, Daniel Maeda, Diogo Esteves, Guilherme de Bivas, Ingrid Ori e Rafael Costa

Divulgação IAB-DF

 

O projeto vencedor apresentou soluções que mantinham a escala da cidade ao mesmo tempo em que buscavam alternativas para resolver o conflito entre pedestres e veículos, em especial o transporte não-motorizado. Para isso, propõe a construção de uma ciclovia de 13,5 km, que será integrada às passagens viárias e aos abrigos de ônibus. Além disso, os arquitetos sugerem que os cafés, comércios e serviços públicos sejam abrigados embaixo das dobras dos platôs que criam uma cobertura impermeabilizada.

Divulgação IAB-DF

 

Divulgação IAB-DF

 

Divulgação IAB-DF

 

Divulgação IAB-DF

 

Divulgação IAB-DF

2º LUGAR
Arquiteto: Ricardo Gusmão
Colaboradores: Bhakta Krpa, Carlos Eduardo Marino, Carlos Eduardo Miller, Eduardo Pompeo, Fernando Franco, Guido Otero

Divulgação IAB-DF


O projeto se baseia em três pontos principais: recondicionamento das cabeceiras (tranformando-as em locais de encontro), concentração dos novos pontos de ônibus (uma única plataforma no canteiro central das vias laterais) e alargamento dos espaços descobertos entre os túneis, para que estes virem local de lazer e descanso.

Ao longo das passagens, o projeto prevê que sejam implantados postes de iluminação, bancos e uma área fechada de 15m² para abrigar boxes de comércio ou serviços públicos. Além disso, propõe que sejam implantados elevadores e escadas para dar acesso aos pontos de ônibus que forem concentrados no canteiro central.

Divulgação IAB-DF


Divulgação IAB-DF

3º LUGAR
Arquiteto:
Marcos André Seixas Linhares
Colaboradores: Maria Palencia, Maria Ribes, Andrés Velarde
Com o objetivo de melhorar a mobilidade dos pedestres e ciclistas de Brasília, o projeto propõe a duplicação das passagens nos dois lados da calçada, ao mesmo tempo em que as paradas de ônibus fiquem o mais perto possível das passagens.

Divulgação IAB-DF


Para melhorar a segurança daqueles que trafegam pelas passagens, os arquitetos propõem que sejam construídos boxes-lojas de comércio, pista de jogging, área de brinquedos infantis ou academia pública de ginástica.

Divulgação IAB-DF

MENÇÕES HONROSAS
Arquitetos:
Sidney Schwindt Linhares e Bruno Roberto Padovano
Consultores: Issao Minami, Ivan Rumenov Shumkov, Suzana Mara Sacchi Padovano, Viviane Milaus Nassif
Colaboradores: Davide Burgazzi, Federica Motta, Stefano Baggio

Divulgação IAB-DF

Este projeto também se caracteriza por três ações complementares: consolidação dos eixos de travessia existentes com quiosques e lojas; enriquecimento da vegetação arbórea; e criação de uma “sombra” com desenho orgânico sobre os trechos abertos. Para a composição desta cobertura, os arquitetos sugeriram que fosse usada uma estrutura em aço corten e membrana de etileno tetrafluoretileno (ETFE). Nas paredes internas, feitas de aço inox, propõe-se a inserção de obras de arte.

Arquiteta: Camila de Carvalho Pires Lammers
Colaboradores: Hans Lammers, Marco Lammers
Para integrar as passagens com o espaço externo, o grupo propõe que se construa uma entrada com continuidade visual, através da proposição de praças abertas que funcionam como um “hall” de entrada para o túnel.

Divulgação IAB-DF


Em relação à infraestrutura, sugere-se que a largura dos túneis atuais seja redimensionada em 1,4 m. Assim, tanto pedestres quanto ciclistas terão espaços divididos igualmente.

Arquiteta: Anna Carolina Manfroi Galinatti
Colaboradores: Ana Cristina Castagna, Gabriel Giambastiani, Mario Guidoux Gonzaga, Pablo Resende

Divulgação IAB-DF


Este projeto tem uma proposta diferente em relação aos outros participantes. Ao invés de oferecer reformas nos túneis, o grupo propõe que se construa uma faixa de segurança com semáforo, no mesmo nível da calçada. A faixa funcionaria para pedestres, ciclistas e cadeirantes, sem interrupção. Segundo os arquitetos, esta opção se torna mais segura, pois túneis são geralmente lugares sombrios e sem luz. Além disso, esta forma de travessia colocaria os pedestres e os ciclistas em primeiro lugar na mobilidade urbana sustentável.

Arquiteto: Lauro Rocha de Sousa
Colaboradores: Silvio Manuel do Nascimento e Carolina Mishima Uehara

Divulgação IAB-DF


O projeto trabalha com duas escalas de intervenção: urbana e local. Na primeira, os arquitetos sugerem a implantação de uma ciclovia no canteiro central dos eixos, com acesso a todas as passagens. A proposta também inclui a criação das “passagens da arte”, onde se criariam um conjunto de galerias de arte nas áreas cobertas das passagens.

Na escala local, propõe-se que as áreas descobertas se tornem pontos de encontro, com bicicletários, cafés, bancas de jornal e outras atividades comerciais. Nas áreas cobertas, seriam abertas laterais com taludes para facilitar a circulação de ar e entrada de luz.

Arquitetos: Juliano Monteiro Machado e Gustavo Utrabo
Consultor: Ricardo Dias
Colaboradores: Pedro Duschenes, Ernesto Bueno, Lucas Issey, Sabine Meister, Mathilde Poupart, Lucille Daunay

Divulgação IAB-DF


O projeto deste grupo sugere que sejam construídos nos corredores das passagens alguns vazios, para trazer ventilação e luz natural. Para o acesso, propõe-se a instalação de um elevador.

Arquiteto: Alessio Gallizio
Colaboradores: Diogo de Souza Carvalho, Henrique Soares Rabelo Adriano, Henrique Lima Meuren e João Paulo Diel Bastos de Souza

Divulgação IAB-DF


No quesito acessibilidade, este projeto sugere que seja implantado nas passagens o sistema de bike sharing, onde bicicletas ficam disponíveis para o uso público. Em relação à segurança, o projeto propõe a eliminação dos ângulos retos através de chanfros, assim como a abertura dos acessos para o ambiente externo, usando taludes em um acesso duplo em “Y”.

Anúncios
Esse post foi publicado em Não categorizado. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s