Sob a proteção das curvas em balanço

10/10/2012 | Notícia | Revista Projeto Design – Outubro 2012

O percurso de mais de 50 quilômetros do Transoeste, corredor de Ônibus que faz a ligação entre a Barra da Tijuca e Santa Cruz, no Rio de Janeiro, é pontuado pela arquitetura do escritório JC&S Arquitetos Associados, responsável pelo projeto das 57 estações distribuídas ao longo da via. Estas se caracterizam visualmente pela cobertura metálica curva que protege o corpo central dos módulos e avança, em balanço, para a baia da parada dos ônibus em ambas as laterais.

Até meados deste ano, o tempo necessário para percorrer de ônibus o trecho entre Santa Cruz e a Barra da Tijuca, bairros da zona oeste da capital fluminense, podia chegar a três horas. Desde a inauguração do Transoeste, o deslocamento entre as duas localidades pode ser feito em cerca de 50 minutos. No final de agosto, o número de usuários do corredor do bus rapid transit (BRT), sistema de alta capacidade por onde trafe­gam ônibus articulados que levam até 145 passageiros, superava os 50 mil por dia.

O desenvolvimento do projeto das estações do corredor coube à equipe do escritório JC&S, que tem como um de seus sócios o arquiteto Jozé Candido Sampaio de Lacerda. Ele fez parte da equipe que trabalhou com Jaime Lerner no Rio, nos anos 1980, quando o arquiteto e urbanista coordenou um plano de desenvolvimento para a capital no ano 2000. Alinhavado naquela ocasião, o BRT foi retomado com a escolha do Rio para sediar a Copa do Mundo de 2014 e a Olimpíada de 2016.

Ao longo do Transoeste há dois tipos de estações: as paradoras e as expresso- -paradoras (para conexões de maior distância), construídas a partir de seis dimensões: seus comprimentos variam entre 70 e 160 metros e as larguras podem ser de tires ou cinco metros. Também se alterna o número de acessos as estações (um ou dois, com catracas) e a quantidade de baias de ônibus. “As uni­dades foram concebidas de modo que pudessem ser implantadas com rapidez e economia”, explica Lacerda, justificando dessa forma o fato de a escolha ter reca­ído em componentes pré-fabricados.

De modo geral, essas paradas são compostas por duas linhas paralelas de pilares metálicos que, ultrapassando a cobertura, receberam em seu topo tirantes que auxiliam na sustentação desta.

A edificação, detalha Lacerda, emprega estrutura metálica com pilares de aço tubular com alta resistência a impactos e vigas em perfil I. Ela é fixada em uma base de concreto armado fujas laterais servem ao mesmo tempo de fundação e proteção.

A cobertura curva (constituída por telhas metálicas do tipo sanduiche, com isolamento acústico de PET) e o elemento definidor do desenho de natureza fluida. Ela conta com uma abertura zenital central que, informa o arquiteto, permite a passagem da luz solar, mas filtra sua incidência, evitando a radiação e o calor. “A iluminação artificial e acionada somente a noite, através de sensores”, diz. A forma desencontrada como as telhas são instaladas e o forro na estação propiciam, segundo o autor, um colchão de ar que evita a incidência solar direta.

As telhas são pintadas de branco para refletir a luz natural. Lacerda acrescenta que o desenho da cobertura funciona como captador eólico, que força a circula­ção do vento dominante dentro da estação. O projeto também especificou vedação com chapas perfuradas ou tela metálica, que permitem e facilitam a ventilação cruzada. O trecho das estações reservado à parada dos ônibus possui portas envidraçadas com proteção solar. “Elas possibilitam a visualização do exterior e abrem de forma automática”, arremata Lacerda.

O Transoeste foi o primeiro concluído dos quatro corredores BRT previstos para o Rio de Janeiro (Transcarioca, Transo­limpica e Transbrasil são os outros) que integram o pacote de obras de mobilidade urbana para a cidade receber a Copa do Mundo de 2014 e, dois anos depois, os Jogos Olímpicos. No caso do Transoeste, além do trecho Barra da Tijuca-Santa Cruz, há um desdobramento da inicialmente prevista com a posterior Santa Cruz-Campo Grande. (A. M.)

Ficha Técnica
Estações BRT Transoeste
Local: Rio de Janeiro, RJ
Data do início do projeto: 2011
Data da conclusão da obra: 2012
Arquitetura, urbanismo e paisagismo: JC&S Arquitetos Associados – Joze Candido Sampaio de Lacerda Jr., Maria das Graças Lacerda, Priscila Chiesse, Barbara Freitas, Daniel Kamitani, Alexandre Pessoa e Diogo Antonio de Souza (equipe); Maria Clara Moreira, Mariana de Oliveira Gomes, Frederico Miranda Bittencourt, Marcio ha Silva Dias e Renata Saback Rodrigues (estagiários)
Estrutura e fundações: Perazzo
Construção: Odebrecht e Sanerio
Fornecedores: Projetec (estrutura, chapas de aço perfurado, telhas e painéis); Pardox (aço inox)
Fotos Celso Brando

Anúncios
Esse post foi publicado em Arquitetura e Urbanismo. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s